quinta-feira, 2 de junho de 2016

Religião e Relações Internacionais


5 comentários:

Anajá Schmitz disse...

Olá,
estava procurando algum artigo sobre Rivera e encontrei teu blog. Ainda moras em Livramento?
Essas fronteira tem algo de mistério que nos encanta. Estou aprendendo italiano, quero ir para teu país conhecer e viver um tempo lá.
Tenha uma ótima semana.

Anna Carletti disse...

Sim Anajá, estou na fronteira. Bons estudos de italiano, abraço!

Anônimo disse...

Oi, eu sou uma futura universitaria e tenho grande desejo de estudar na Unipampa e cursar Relações Internacionais. Gostaria de saber se vale a pena morar em Santana do Livramento (atualmente moro no sul de Minas Gerais) e se a cidade oferece segurança e oportunidades aos estudantes...
Agradeço desde já

Anna Carletti disse...

É um ótimo lugar para se viver e estudar... para mim é assim, claro que você precisa comparar as características do lugar com sua maneira de ser e viver, pois isso é bastante pessoal... saludos...

Virginia Cassani disse...

Olá professora,
Meu nome é Virginia Cassani e sou estudante do 7º período de Relações Internacionais da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e estou iniciando um trabalho de mapeamento de bibliografias para o meu projeto de monografia que pretende tratar sobre a relação das Jornadas Mundiais da Juventude realizadas pela Igreja Católica com a atuação da Santa Sé, buscando questionar se os temas desenvolvidos e os locais de realização desses eventos se enquadram num contexto mais amplo de atuação da política externa dessa entidade. Nesse sentido, busco, se possível, um comentário da senhora, enquanto estudiosa da área, que possa me ajudar nesse processo.
Tive contato com o livro de sua autoria, “O Internacionalismo vaticano e a nova ordem mundial: a diplomacia pontifícia da Guerra Fria aos nossos dias”, a melhor bibliografia que pude ler para começar a nortear a minha pesquisa, motivo que me levou a buscar este contato com a senhora. Gostaria de saber o que a senhora pensa sobre a realização desse tipo de macro evento pela Igreja Católica e se a não referência aos mesmos nesse seu trabalho se dá apenas por se tratar de uma obra introdutória, como é apontado pela senhora na mesma.
Agradeço de antemão a ajuda, caso a mesma não seja motivo de transtorno para a senhora.
Cordialmente,
Virginia Cassani